Optimus Alive 2017

Passeio Marítimo de Algés,
Oeiras, Portugal
Thu, 07 July - Sat, 09 July 2016
Type: Festival
Size:
Capacity: 50,000
Rate:
45 Votes

Lineup:

To be Announced

Location:

Optimus Alive Map Optimus Alive Location Open in

Travel:

Arriving and Departing from

Flights:

To AirportCityCodeSizeDistanceFlights 
Portela Lisbon LIS 4 13 km

Hotels:

Tickets:

News:

 
Thu, 06 Jul 2017 15:41:07 +0000
Se és daqueles que não arreda pé do Palco Heineken, isto é para ti! Resposta corretamente às questões, no menor tempo possível e habilita-te a ganhar entradas para o Heineken Stage Bar dia 8 de julho. Participa já!  https://everythingisnew.typeform.com/to/H6oBl5
Wed, 05 Jul 2017 13:55:09 +0000
(function() { var qs,js,q,s,d=document, gi=d.getElementById, ce=d.createElement, gt=d.getElementsByTagName, id="typef_orm", b="https://embed.typeform.com/"; if(!gi.call(d,id)) { js=ce.call(d,"script"); js.id=id; js.src=b+"embed.js"; q=gt.call(d,"script"); q.parentNode.insertBefore(js,q) } })() powered by Typeform
Thu, 29 Jun 2017 18:16:38 +0000
O cartaz da 11.ª edição do NOS Alive já se encontra fechado e os festivaleiros já podem preparar a sua agenda para aproveitarem ao máximo os três dias do festival. São 39 horas de muita música e animação dividida por sete palcos, ao longo de três dias. É preciso preparar bem a agenda para garantir que se consegue assistir ao maior número de espetáculos pretendidos. ​Aos nomes já anunciados juntam-se LOT para fechar o alinhamento do palco Heineken, dia 07 de julho. Depois de em 2016 se terem apresentado ao mundo com uma nova sonoridade –  que junta a esfera eletrónica de batidas fortes, e a melodia cantada, que nos entra no ouvido e fala para o coração – LOT é o projecto de Pedro Sacchetti, José Evangelista e Rui Rodrigues. A banda junta-se no cartaz ao alinhamento de dia 07 de julho no Palco Heineken. O NOS Alive’17 é um dos principais responsáveis pela entrada de bandas emergentes no cenário musical atual e nesta edição volta a ser exemplo disso. Este ano juntam-se ao cartaz os dois vencedores do EDP Live Bands. A edição Portuguesa leva ao festival os Plastic People, dia 08 de julho, e a versão brasileira a banda do Rio Grande do Sul, Gelpi, que atuam no primeiro dia. Já o reconhecido Festival Termómetro apurou os Eden Lewis, que atuam no NOS Alive no dia 07 de julho. Também o concurso de bandas de garagem Oeiras Band Sessions deu aos Monstro a possibilidade de atuar no último dia do festival. Espanha também se faz representar no NOS Alive com uma banda emergente, desta feita os Veintiuno que são responsáveis por abrir o Palco Heineken dia 06 de julho. A 11.ª edição do NOS Alive, que decorre no Passeio Marítimo de Algés nos próximos dias 06, 07 e 08 de julho, imprimiu um capítulo na história dos festivais em Portugal ao esgotar os bilhetes diários e os passes de três dias a mais de três meses da abertura de portas. DOWNLOAD HORÁRIOS VERSÃO DE IMPRESSÃO
Thu, 29 Jun 2017 08:56:12 +0000
Dia 06 de julho o Palco NOS Clubbing recebe um cartaz de peso com Jessy Lazy, Batida, Karlon, Niles Mavis, Wack, Rita & O Revólver, Antonio Bastos e Carlos Cardoso. A curadoria esteve a cargo do radialista e diretor da rádio Oxigénio Carlos Cardoso, garantidamente um dos responsáveis pela entrada de grandes nomes da música no circuito das rádios em Portugal. O alinhamento proposto para o primeiro dia do NOS Alive’17 viaja pelas sonoridades vanguardistas do hip-hop, da soul e da eletrónica. Rita & O Revólver é a banda que abre o Palco NOS Clubbing nesta 11.ª edição. Atualmente a preparar um EP que antecede o CD de estreia, a banda reúne a voz soul da atriz Rita Cruz, Rui Alves (bateria), Tiago Santos (guitarra), José Moz Carrapa (baixo), João Cardoso (teclados), e Hugo Menezes (percussões). Dos blues de Leadbelly à soul de Marvin Gaye, Curtis Mayfield ao ritmo hipnótico do afro-funk, a banda junta versões e originais em português cujos temas abordam a luta dos povos e das minorias, sempre envolvidos no ritmo do funk, soul e grooves afro- latinos. A mistura é explosiva e a cantiga é uma arma, mas com a Rita & O Revólver também se dança. Em palco segue-se Wack, o quinteto que junta a musicalidade do jazz, à groove do funk e à força do hip-hop. Wack é uma palavra “hiphopiana” para algo mau ou sem qualidade. Para os Wack, ser Wack é um refúgio para poder criar música sem limites, obrigações ou juízos de valor. São já três os EPs que constroem a carreira deste grupo que junta músicos jazz a artistas hip-hop. Vencedor dois anos consecutivos do Dance Club Awards na categoria melhor DJ de hip-hop, Niles Mavis, é o próximo em palco. Desde que descobriu a arte dos pratos e do scratch, já colaborou com nomes como Micro, Bulllet, Dealema, The Legendary Tiger Man, Rodney P, Ruste Juxx, Anthony B, Sam The Kid, Buraka Som Sistema, Balla, Ollea Teeba (Ninja Tune), A-Trak,Dj Carze e Curtis Blow. Já passou por importantes palcos mundiais, esteve em digressão com um dos mais sonantes MCs londrinos Ty e atuou no Coliseu de Lisboa e do Porto com os respeitados gigantes da musica De La Soul. Com muitos projetos a caminho Niles aka Sr. Alfaiate promete não deixar dúvidas que a evolução faz parte da sua vida. Para apresentar o novo registo de originais sobe a palco o MC Karlon. “Passaporti”, é o novo trabalho do músico e compositor, pioneiro do hip-hop crioulo em Portugal, tendo fundado em 1994 o grupo Nigga Poison (duo formado com Praga). O terceiro trabalho de estúdio leva-o às raízes, juntando os sons cabo-verdianos que ouvia em casa (morna, coladera, funaná) e os beats do rap com que se desenvolveu desde os 12 anos, nas Ruas da Pedreira dos Húngaros. “Passaporti” inclui participações de Chullage, Maria Tavares, Valete, Carlos Martins no Saxofone, Bdjoy nas congas, Scratch a cargo do DJ X-Acto, Ary César na Guitarra e Ary (Blasted Mechanism) nos sintetizadores. A produção de todas as faixas ficou a cargo do Charlie Beats, exceção do tema “Nha rosa” produzido por Igor Santos. Do Canadá chega Jessy Lanza, produtora e cantora de Hamilton, Ontário. O seu disco de estreia, “Pull My Hair Back”, gravado em parceria com Jeremy Greenspan, dos Junior Boys, foi amplamente elogiado por títulos como The Guardian, Times e Pitchfork. Ao NOS Alive’17 a artista traz o seu mais recente longa-duração, “’Oh No”, editado em 2016. Lanza viu o primeiro single do último trabalho de originais, “’It Means I Love You”, escolhido para “Best New Music” pela Pitchfork. Jessy Lanza já realizou digressões mundiais ao lado de nomes como Cut Copy, Caribou e Junior Boys. Para não deixar arrefecer a noite sobe a palco Antonio Bastos. Antonio Bastos é músico, compositor, produtor. Músico desde que nasceu, com forte formação em jazz, percussão, novas tecnologias e clássica, a sua música esteve presente com diferentes formações em alguns dos principais palcos, clubs e eventos a volta do mundo (Espanha, França, Bélgica, Áustria, Itália, Suíça, Turquia, Alemanha, Estados Unidos). Antonio Bastos tem um currículo muito extenso como produtor tendo (também como Johnwaynes) editado pelas mais prestigiadas editoras do mundo. Antonio Bastos em concerto, apresenta todas as suas experiências e influências onde as emoções viajam entre a eletrónica intimista, jazz, clássica, música do mundo e o house.  Para o NOS Alive’17 Antonio preparou um concerto especial onde convidou o multi-instrumentista Paulo Bastos da música do mundo que vem mostrar que a tradição já não é o que era. De seguida o Palco NOS Clubbing recebe Batida. Batida é o nome com que Pedro Coquenão assina o que faz. Nascido no Huambo, em Angola, cresceu nos subúrbios de Lisboa e tem dividido a sua vida entre a produção musical, a rádio e o vídeo. Um dos maiores nomes da atualidade, Batida já pisou os mais importantes palcos mundiais e foi distinguindo pela imprensa internacional como Guardian, XFM ou a BBC1, onde foi apontado como “o disco a ouvir” por Gilles Petterson.  Pedro Coquenão já fez parte da lista para Melhor Artista nos prémios da Revista Songlines e, o seu disco “Dois”, foi nomeado para Melhor Álbum Indie Europeu nos Impala Awards. Para encerrar da melhor forma esta primeira noite estará nos pratos o curador Carlos Cardoso. O radialista conta com uma carreira essencialmente dedicada a rádios de música. XFM, Antena 3, Voxx e atualmente na Oxigénio, como diretor e coordenador musical, sempre a divulgar as novas coordenadas musicais e acompanhar a cena local. O amor pela música e a necessidade quase compulsiva de partilhar alguns dos seus discos, fazem com que mantenha em paralelo à Rádio, a atividade de DJ. Já tocou em vários festivais de verão, clubes e também lá fora no Canadá, onde viveu uns anos. Os seus sets revisitam o mundo da música urbana, num espírito fusionista, fora dos habituais roteiros. Está no ar todas as tardes na Oxigénio – 102.6 FM Lisboa e encerra este ano a primeira noite do Palco NOS Clubbing.
Mon, 26 Jun 2017 09:10:16 +0000
Dia 07 de julho o Palco NOS Clubbing vai contar com alguns dos mais proeminentes nomes do rock nacional. A programação do segundo dia do NOS Alive, inteiramente dedicada ao que de melhor se faz na música nacional, contou com a curadoria de Pedro Ramos, conhecido radialista, DJ e programador, e, sem margem para dúvidas, um dos homens que têm ditado as tendências da música em Portugal. Modernos, Bispo, Pega Monstro, Pista, Cave Story, Killimanjaro, Bandido$ e a dupla Pedro Ramos VS. Mitsuhirato são os nomes que compõem o cartaz do Palco NOS Clubbing, dia 07 de julho. Para dar as boas vindas aos festivaleiros sobem a palco Kilimanjaro. José, Masquete e Joni são como búfalos a galope, sem destino algum, apenas o de estremecer aqueles por quem passam. Só lhes interessa o palco, como a savana onde o búfalo se alimenta, para continuar a galopar. Para garantir que o rock continua em palco junta-se ao cartaz Cave Story. O trio composto por Gonçalo Formiga, Pedro Zina e Ricardo Mendes apresenta o disco de estreia, “West”, que os levou numa viagem entre o rock e o pop. Pista seguem-se em palco com o seu rock tropical e bem-disposto. Os Pista são três, Bruno Afonso, na bateria/voz, Cláudio Fernandes, na guitarra/voz, e Ernesto Vitali na guitarra/voz. A dupla de irmãs, Pega Monstro, vai encarar o Palco NOS Clubbing logo de seguida. As manas Reis, Júlia e Maria levam ao NOS Alive temas do tão aguardado segundo álbum de originais “Alfarroba”, com data de edição prevista para o início do próximo mês. Neste mesmo dia o Palco NOS Clubbing recebe Modernos e Bispo. As duas bandas que entre elas dividem os elementos de Capitão Fausto, levam os projetos paralelos do eixo principal ao NOS Alive’17.  Modernos junta Tomás Wallenstein, Manuel Palha e Salvador Seabra num formato mais reduzido, que tem como objetivo agarrar na linguagem direta e apresentar canções tal e qual como saem. Reais e Mundanas no seu sentido mais descarnado, assente no rock’n’roll de uma guitarra, um baixo e bateria. Já os Bispo reúnem Francisco Ferreira, Manuel Palha e Domingos Coimbra. Nesta fração das suas vidas desafiam noções de música rock para chegar a um fim. A procura orgânica, onde o acústico e o eletrónico coabitam felizes, é um dos poucos princípios definidos. Imaginários surrealistas de uma pop que prima por experimentar. Dois concertos obrigatórios! Dia 07 de julho o Palco NOS Clubbing vai contar com alguns dos mais proeminentes nomes do rock nacional. A programação do segundo dia do NOS Alive, inteiramente dedicada ao que de melhor se faz na música nacional, contou com a curadoria de Pedro Ramos, conhecido radialista, DJ e programador, e, sem margem para dúvidas, um dos homens que têm ditado as tendências da música em Portugal. Modernos, Bispo, Pega Monstro, Pista, Cave Story, Killimanjaro, Bandido$ e a dupla Pedro Ramos VS. Mitsuhirato são os nomes que compõem o cartaz do Palco NOS Clubbing, dia 07 de julho. Para dar as boas vindas aos festivaleiros sobem a palco Kilimanjaro. José, Masquete e Joni são como búfalos a galope, sem destino algum, apenas o de estremecer aqueles por quem passam. Só lhes interessa o palco, como a savana onde o búfalo se alimenta, para continuar a galopar. Para garantir que o rock continua em palco junta-se ao cartaz Cave Story. O trio composto por Gonçalo Formiga, Pedro Zina e Ricardo Mendes apresenta o disco de estreia, “West”, que os levou numa viagem entre o rock e o pop. Pista seguem-se em palco com o seu rock tropical e bem-disposto. Os Pista são três, Bruno Afonso, na bateria/voz, Cláudio Fernandes, na guitarra/voz, e Ernesto Vitali na guitarra/voz. A dupla de irmãs, Pega Monstro, vai encarar o Palco NOS Clubbing logo de seguida. As manas Reis, Júlia e Maria levam ao NOS Alive temas do tão aguardado segundo álbum de originais “Alfarroba”, com data de edição prevista para o início do próximo mês. Neste mesmo dia o Palco NOS Clubbing recebe Modernos e Bispo. As duas bandas que entre elas dividem os elementos de Capitão Fausto, levam os projetos paralelos do eixo principal ao NOS Alive’17.  Modernos junta Tomás Wallenstein, Manuel Palha e Salvador Seabra num formato mais reduzido, que tem como objetivo agarrar na linguagem direta e apresentar canções tal e qual como saem. Reais e Mundanas no seu sentido mais descarnado, assente no rock’n’roll de uma guitarra, um baixo e bateria. Já os Bispo reúnem Francisco Ferreira, Manuel Palha e Domingos Coimbra. Nesta fração das suas vidas desafiam noções de música rock para chegar a um fim. A procura orgânica, onde o acústico e o eletrónico coabitam felizes, é um dos poucos princípios definidos. Imaginários surrealistas de uma pop que prima por experimentar. Dois concertos obrigatórios!
12

Videos:

Loading...

SocialFeeds:

Line-up data on this page has been provided by http://www.last.fm.